Assim que tomou posse do governo brasileiro, o presidente interino Michel Temer e sua equipe anunciaram o novo slogan do Governo Federal: “Ordem e Progresso”, que conversa diretamente com o lema “Ponte para o Futuro” abraçado por sua gestão. O slogan escolhido já vem fazendo parte da realidade do Brasil desde que, em 19 de novembro de 1889 (ainda que com 21 estrelas apenas), foi adotada a atual bandeira do país.

Nova marca e slogan do Governo Federal de Temer

A bandeira de cores verde, amarela e branca foi desenhada pelo pintor Décio Vilares e toda sua ideia confeccionada pelo professor Raimundo Teixeira Mendes, também filósofo e matemático, adepto dos ideais do movimento positivista de Augusto Comte. Assim, a frase “Ordem e Progresso” foi inspirada no lema de Comte “L’amour pour principe et l’ordre pour base; le progrès pour but”, que significa “O amor como princípio e a ordem como base; o progresso como meta”.

Bandeira do Brasil

O Positivismo foi uma importante corrente filosófica que surgiu no início do século XIX na França como um filho do encontro do Iluminismo com o Romantismo, que eram correntes opostas no século anterior. Se do primeiro herdou o culto à ciência, ao empirismo e à Razão, mas se opôs de seu aspecto negativista, do segundo trouxe o sensível, o não-objetivo, que resultou no que hoje conhecemos como a Sociologia, isto é, o estudo do social da vida, onde a ciência se encontra com a Razão.

Além disso, enquanto o Iluminismo criticava a sociedade, o Positivismo desejava organizá-la, desejava colocar fim nas desigualdades e problemas sociais surgidos a partir do cenário econômico e industrial da época. Assim, para Comte, o Positivismo era uma doutrina sociológica, filosófica e política que consistia na observação dos fenômenos sociais por meio da experiência e do empirismo.

Positivismo no Brasil

Ainda que mais tarde, a doutrina positivista se expandiu das terras europeias e desembarcou no Brasil com uma grande força a ponto de sermos considerados a segunda pátria do Positivismo. O movimento apareceu em território nacional a partir de 1850, quando se tornou visível na Escola Militar, no Colégio Pedro II, na Escola da Marinha, na Escola de Medicina e na Escola Politécnica, principalmente como uma reação filosófica contra a doutrina confessional católica tão presente na sociedade brasileira.

Sua influência máxima se deu na Proclamação da República, em 1889, em que se destacou o coronel Benjamin Costant, um dos grandes adeptos das ideias de Comte e o mais influente de todos. Aliás, não só ele, mas o Positivismo teve uma forte presença em todo o ambiente militar brasileiro, moldando seus ideais que, como já dito, foram refletidos na bandeira brasileira e no próprio governo da época. Assim, o Positivismo brasileiro se fez presente principalmente nos movimentos de caráter republicanos e abolicionistas, ambos com uma forte característica intelectual.

Benjamin Constant, o mais influente positivista brasileiro

A influência da doutrina de Augusto Comte pôde ser observada no Brasil até as rebeliões tenentistas da década de 20 no próximo século e na organização estatal e projeto de desenvolvimento nacionalista burguês do primeiro governo de Getúlio Vargas.

Governo Temer e a “Ordem e Progresso”

Dessa forma, a gestão de Temer parece buscar lá atrás, no movimento positivista tão presente no século XIX, a fórmula para solucionar os problemas políticos, econômicos e sociais da atual sociedade brasileira, tentando mostrar a nós, cidadãos, que, para se conseguir um futuro melhor, isto é, o progresso, precisamos da ordem, da Razão e, acima de tudo, de um pensamento otimista e positivo sobre o que está por vir.

Michel Temer e o Positivismo