No dia 22 de outubro de 1912, teve início a Guerra do Contestado, um movimento social messiânico que aconteceu durante a Primeira República no Brasil. A guerra teve como principal líder o monge José Maria de Santo Agostinho e aconteceu na região do Contestado, que ficava na fronteira entre Santa Catarina e Paraná, sendo disputada pelos dois Estados.

Oficiais do Exército Brasileiro em Porto União, região do Contestado.

Apesar de ser uma região “sem Estado”, era muito importante economicamente, devido à presença de uma rica floresta e de amplas plantações de erva-mate. Também havia, no local, fazendas de gado e de madeira, o que levou ao crescimento populacional da área.

Entretanto, viviam em condições pouco dignas, sendo explorados e marginalizados, alvos frequentes de violência. A situação foi agravada com a chegada da empresa americana Brazil Railway Company, responsável pela implantação da ferrovia que ligava os municípios de São Paulo e Porto Alegre.

Museu Histórico e Antropológico da Região do Contestado, em Caçador. O edifício é uma reconstituição da estação ferroviária de Rio Caçador.

 

Como forma de pagamento pelo serviço prestado, a empresa ganhou uma faixa de 15 quilômetros de terra de cada lado da estrada de ferro e desabrigou as pessoas que viviam no local. Essa ação foi o estopim para o conflito.

Sob a liderança do monge José Maria, os camponeses e operários desempregados organizaram uma sociedade que, assim como Canudos, na Bahia, procurava viver à revelia do Estado. O monge pretendia, inclusive, fundar uma monarquia celestial, em que os indivíduos viveriam de acordo com rígidas normas religiosas.

Na comunidade, chamada de Quadrado Santo, a vida era comunitária e havia locais para cultos e procissões. A compra e a venda de mercadorias eram proibidas, havendo somente trocas. Acreditava-se que o fim do mundo estava próximo e que ninguém deveria ter medo de morrer, já que haveria a ressurreição. Também foi criado um grupo armado, com distribuição de funções entre os membros.

Para evitar a formação de outras comunidades como essa, o governo passou a enviar expedições militares contra a população. Em outubro de 1912, ocorreu a batalha de Irani, no Paraná, que levou à morte do monge José Maria e de outros combatentes.

Os confrontos continuaram, com enorme repressão e milhares de mortes. A Guerra teve fim em agosto de 1916, com a captura de Adeodato, considerado o último líder do Contestado. Ele foi condenado a 30 anos de prisão, mas foi morto sete anos depois, em uma tentativa de fuga.